CNM participa de treinamento da Agência Sueca de Proteção Ambiental sobre resíduos sólidos Segunda, 23 de setembro de 2019.

CNMDesde 2015, uma parceria do Brasil com a Agência Sueca de Proteção Ambiental (Swedish Environmental Protection Agency) tem buscado incrementar a gestão de informação ambiental e a gestão sustentável de resíduos – prevenção de resíduos alimentares. Entre as ações realizadas, estão os cursos e treinamentos que possibilitam aos participantes atuarem profissionalmente desde o planejamento até o gerenciamento de resíduos sólidos.

Nesta semana, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) é uma das convidadas para a capacitação de amostragem de resíduos. De quinta-feira, 19 de setembro, ao sábado, 21, técnicas especialistas e pesquisadoras de gravimetria e gestão de resíduos sólidos da Agência Sueca estão ministrando curso para análise e mensuração dos materiais.

Elisabet Koch, Tova Andersson, Kelly Dalben e Daniele Eckert fizeram uma introdução sobre a metodologia sueca que será utilizada para medir a composição dos resíduos orgânicos gerados no Distrito Federal. O Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU/DF) e a Universidade de Brasília são parceiros na ação.

Desperdício
Para a CNM, trata-se de uma oportunidade de discutir a cooperação e prevenir o desperdício de alimentos, ou Food Waste Prevention – preocupação levantada pela agência internacional. Nesse sentido, a supervisora do núcleo de Desenvolvimento Territorial da CNM, Cláudia Lins, e a analista técnica de Saneamento, Priscila Alvares, acompanharam o trabalho realizado na Usina de Compostagem do SLU em Brasília para aperfeiçoar os conhecimentos sobre a técnica e repassar aos gestores municipais.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 41,6 quilos de comida são desperdiçados por pessoa a cada ano. Diariamente, cada família brasileira joga fora 353 gramas, o que dá um alarmante total de 128,8 quilos de alimento que deixam de ser consumidos e vão parar nos contêineres de lixo.

CNMImportância para gestão municipal
Análise gravimétrica, gravimetria ou amostragem de resíduos sólidos são nomenclaturas técnicas dadas ao estudo das parcelas desses materiais, permitindo a obtenção de informações qualificadas e quantificadas sobre as características do que é recolhido nos Municípios. Ou seja, o estudo mensura, quantifica, qualifica, analisa a quantidade gerada e descartada em um determinado local.

A técnica possibilita aos gestores municipais identificar oportunidades de negócios junto às cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis. E tem como um de seus maiores benefícios a comprovação da eficiência da coleta seletiva, trazendo uma definição sobre as maiores quantidades e qualidades do que é gerado. A CNM ressalta a importância de a administração local fazer uma proposta de análise gravimétrica anual com base na ABNT NBR 10.0007:2004 – Amostragem de Resíduos Sólidos, seja para coleta convencional ou seletiva de resíduos sólidos.

Segundo as representantes da CNM, o Município que traça um Programa Continuado de Gravimetria faz uma gestão melhor dos resíduos sólidos, pois os mede com periodicidade e amostras significativas. É indicação da Confederação que os gestores municipais, principalmente os que lidam diretamente com o setor de saneamento, saibam sobre esse tipo de estudo, sua importância e como realizar.

Concluindo, as análises são importantes para a elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS), que deveria ter sido entregue pelas prefeituras até 2012. Atualmente, os Municípios que não contam com esse instrumento enfrentam dificuldades para captação de recursos com o governo federal. Vale lembrar que a CNM luta para a prorrogação do prazo com as condicionantes de que a União e os Estados auxiliem os Municípios no cumprimento da Lei 12.305/2010.

Para mais informações ou dúvidas, entre em contato com a área de Saneamento da CNM pelo e-mail saneamento@cnm.org.br ou pelo telefone (61) 2101-6024.

Conheça o Observatório dos Lixões da CNM e a Agência Sueca de Proteção Ambiental.

Da Agência CNM de Notícias

Voltar